Tintura no cabelo: quando e porque evitar?

As mulheres adoram mudar a cor dos cabelos. Uma hora estão ruivas, em outra ficam loiras, e assim por diante. Mas, tingir os cabelos nem sempre é recomendado. E quem explica o porquê é o hairstylist  Ricardo Arantes. “Quando houver feridas no couro cabeludo, como dermatites, psoríase ou descamações, a tintura pode agravar o problema e deixar a região ainda mais inflamada”.

Pessoas com alergia a amônia, peróxido de hidrogênio e corantes sintéticos, que são os principais ativos na fórmula da tintura, também devem evitar tingir os fios.

Quanto às grávidas, o profissional ressalta que, em primeiro lugar, é necessária uma avaliação do médico que acompanha a gestação. “A partir da aprovação clínica, as mulheres - de preferência as que não estiverem no primeiro trimestre da gestação - podem optar por retocar a raiz ou descolorir os fios sem usar produtos com cheiros e composição fortes”, diz.

Ação e reação

A tintura pode trazer diversos danos aos cabelos e ao couro cabeludo, especialmente àquelas com a pele mais sensível. “Pode ocorrer dermatite de contato de reação primária, eritemas (vermelhidão), coceiras, além de problemas respiratórios mais sérios”, salienta o especialista.

Para quem possui fios brancos e deseja disfarçar, Arantes recomenda aplicar colorações sem amônia e também cremes condicionadores de PH ácido aditivados de pigmentos.

E para as mais jovens, que não possuem ainda fios brancos para “esconder”, o hairstylist afirma que embora não exista uma idade ideal que seja cientificamente comprovada para descolorir os cabelos, após a primeira menstruação, as meninas que desejarem podem descolorir os fios sem correr riscos. “Após o primeiro ciclo menstrual ocorre uma variação na textura dos cabelos da mulher devido às mudanças hormonais. Por isso, é adequado esperar para ficar na moda sem prejudicar a saúde”, alerta.