Ceras quentes, ceras frias, ceras calmantes, lâminas, aparelhos elétricos, depilação a laser, roll-on, cremes depilatórios, ufa! Métodos não faltam, mas qual escolher? Conheça um pouco de cada um dos métodos e escolha o seu.

Cera quente

É uma dos métodos mais comuns, deixa a pele lisinha por três semanas, mas dói, não tem como negar. O processo ainda é cercado por alguns mitos, o principal deles é quanto a causar vasinhos e varizes. Não causa. Conforme a esteticista Regina Jordão, proprietária da rede de institutos de depilação PELLO MENOS, “a cera tem ação superficial, as veias e microvasos ficam muito abaixo da hipoderme, aonde seus efeitos não chegam”. Regina também esclarece que o método não causa flacidez, outra crença vigente. “A flacidez é provocada pelo enfraquecimento das fibras de colágeno e elastina, que não são atingidas durante a depilação”.

Os pêlos que escaparem da cera podem, sim, ser retirados com pinça, há os que dizem que isso os tornaria mais grossos. Em contrapartida, é fato que não se deve fazer uma depilação seguida da outra, uma vez que “a pele leva em média 28 dias para se recompor, porque a cera depilatória retira sua camada córnea (parte superficial), deixando-a desprotegida”, informa Regina.

Por fim, não aceite a reutilização do produto, alguns profissionais alegam que a fervura da cera mataria todas as bactérias. “O processo de fervura não mata bactérias mais resistentes”, enfatiza Regina.

Cera fria

A cera também pode ser fria, mas prepare-se, a dor é maior. É que a cera quente dilata os poros, e fica mais fácil para a profissional retirar o produto, já neste caso isso não ocorre. O método é mais usado por quem faz depilação em casa, com kit comprado em drogaria ou loja especializada. Os dois processos, o quente e o frio, retiram os pêlos pela raiz, portanto, com um ou outro eles levam cerca de 20 dias para crescer de novo.

Ceras calmantes

A especialista Roseli Siqueira, formada em cosmetologia na Argentina e proprietária do centro de estética que leva seu nome, diz que “as ceras calmantes são melhores porque ajudam a descongestionar a pele, seus princípios ativos, como a camomila e a calêndula, têm ações calmantes. São especialmente indicadas para quem tem pele sensível”, destaca.

Também podem provocar manchas e encravamento de pêlos, como nos outros dois métodos. Roseli explica que “quando se tira o pêlo em excesso, há uma quebra de lipídeos (que é a película protetora da cútis), proporcionando o surgimento de manchas; o ideal é hidratar a região”. Contra os pêlos encravados ela sugere uma espera maior entre uma depilação e outra.

Lâmina

O método é indicado para situações de emergência. É rápido, barato e praticamente indolor, mas dura pouco, os pêlos voltam a crescer em dois ou três dias. As lâminas exigem cuidados especiais, lave-as com água fervente e deixe-as secar.

Para muitos o procedimento engrossa os pêlos. Não é verdade. O que ocorre é que eles nascem com a mesma espessura que estavam, pois não foram cortados pela raiz, daí a impressão de nascerem mais grossos.

Aparelhos elétricos

Os aparelhos elétricos removem os pêlos pela raiz e podem ser utilizados em todas as regiões do corpo, inclusive no rosto. A prática também é dolorida, aliás, essa é a principal desvantagem dos aparelhos. Em contrapartida, têm uma série de pontos positivos. A começar pela aparência da pele, que fica lisinha! Outra vantagem é que podem ser utilizados em qualquer lugar, basta encontrar uma tomada. O valor pesa contra; mas, defendem os fabricantes, o aparelho se paga em aproximadamente oito meses de uso e tem vida útil de cerca de seis anos.

Depilação a laser

É indicado para se livrar dos pêlos definitivamente. O principal inconveniente é o preço. Vencida essa dificuldade, é necessário se afastar de outros processos por um mês, para que o profissional veja a direção de crescimento dos pêlos.

Conforme o cirurgião plástico Cláudio Roncati, um dos precursores da utilização do laser no Brasil e membro da American Society for Laser and Surgery e da International Society for Laser Cosmetic Surgeons, “a depilação a laser pode, ou não, deixar a área depilada sem pêlos, porém o ideal é que restem pêlos finos e claros que não mais incomodem o paciente e que ele possa cortá-los com tesoura de vez em quando”. São necessárias cerca de seis sessões para que a depilação seja concluída.

O especialista explica que, além dos cuidados básicos de higiene e tratamento da pele, se deve evitar a exposição solar. “Pacientes que gostam de se bronzear não devem fazer tratamentos com lasers em geral, inclusive depilação”, diz. O tratamento pode ser realizado em qualquer parte do corpo: virilha, buço, sobrancelha etc.

Para nossa felicidade, o cirurgião garante que “em termos de depilação e tratamentos a laser estamos no mesmo patamar que qualquer outro país do mundo”.

Roll-on

A garantia de higiene é uma das vantagens do método, já que cada pessoa tem seu kit para a depilação, o qual é composto por um aparelho que desliza sobre a pele e papéis descartáveis. No entanto, o procedimento é considerado bastante agressivo. Normalmente utilizado nas pernas, é mais indicado para quem tem pêlos fortes e grossos.

Cremes depilatórios

Com resultados parecidos com os das lâminas, os cremes depilatórios também não arrancam os pêlos pela raiz, apenas dissolvem a parte externa deles. Só fique atenta à composição do produto, normalmente tóxica. Não deixe de fazer o teste indicado na embalagem antes de espalhá-lo por toda a pele. Muitas pessoas são alérgicas a esses cremes.

Receita caseira para tirar manchas em áreas depiladas

A reclamação é comum: indesejáveis manchas escuras surgem nas axilas e na virilha por causa da depilação freqüente. Para equilibrar o problema, procure cosméticos com ingredientes calmantes (como a camomila e a calêndula) ou lance mão de sugestões caseiras, como a sugerida abaixo pela esteticista Roseli Siqueira.

“Usar gotas de óleo de girassol em todo o corpo e, com uma buchinha vegetal umedecida em água, circular por toda a pele ativando a circulação. Depois, tomar um banho, aplicar óleo de girassol e usar uma máscara oclusiva nos locais onde apresentem problemas, como manchas escuras.”

Receita de máscara oclusiva

3 colheres de sopa de aveia
1 ½ xícara de água
1 colher de sopa de leite de soja
Deixar descansar por cinco minutos. Aplicar por toda a extensão onde a pele estiver inchada.