Philip Hallawell em workshop sobre Visagismo durante o Creative Color 2006
Philip Hallawell em workshop sobre Visagismo durante o Creative Color 2006

 

O artista plástico e especialista em Visagismo, Philip Hallawell, conta nesta entrevista detalhes sobre o assunto e como o profissional cabeleireiro deve se adaptar à tendência.

Portal BSG - O que é Visagismo? 
Philip Hallawell – Visagismo é a arte de criar um estilo pessoal para uma pessoa, a partir do corte do cabelo, estendendo-se à imagem como um todo. É o design da imagem de uma pessoa.

Portal BSG - Onde surgiu o conceito? Conte um pouco da história. 
PH – O conceito surgiu em 1937 para atender a uma nova tendência que estava se estabelecendo na Europa, no início do século XX: a criação de uma imagem personalizada, que refletisse o pensamento e os princípios da elite intelectual européia, a maioria agnóstica e socialista, que se oposicionava à elite de poder e o seu estilo. Infelizmente, Fernand Aubry, o seu criador, nunca deixou nada escrito, somente as imagens revolucionárias de seu trabalho e seguidores, que fizeram cursos com ele. Também não criou um método para ensiná-lo.
Seu trabalho, no entanto, teve grande influência nos maiores cabeleireiros da Europa, notadamente Vidal Sassoon, que foi o maior responsável pela popularização da noção de um estilo personalizado e despadronizado, a partir de 1965.
No final do século XX surgiram vários cursos na Europa - no Instituto de Visagismo de Claude Juillard e na academia de LLongueras, por exemplo - que deturparam o conceito original, reduzindo-o a um conjunto de técnicas e regras para analisar o formato do rosto, a cor da pele e criar uma imagem esteticamente harmônica. Em nenhum dos cursos há um método para analisar a personalidade, somente indicações de como perceber o comportamento. Também não se ensina a linguagem visual: como funcionam os elementos visuais e como usá-los para criar uma imagem baseada numa intenção pré-estabelecida. Por um lado, esses cursos deram visibilidade ao Visagismo, mas, por outro, fizeram com que fosse associado a padronizações, algo que os profissionais mais avançados estavam querendo se livrar.
Com a publicação do meu livro, em 2003, e com os cursos e palestras em feiras, estou resgatando o conceito original. Pela primeira vez, o profissional de beleza tem acesso aos conhecimentos da linguagem visual. Ao analisar os formatos do rosto e das feições, ele usa seu conhecimento do que as linhas e as formas expressam para ler a personalidade da pessoa. Ele consegue analisar a imagem de uma pessoa e dizer o que expressa e porquê. Conseqüentemente, sabe como fazer uma consultoria e ajudar o cliente a determinar o que deseja expressar. E, o mais importante, sabe como construir uma nova imagem que expressa essa intenção com harmonia e estética. Tudo isso o livra da dependência de sua intuição.
Agora estamos entrando numa nova fase, porque o Visagismo se tornou uma área de estudo na Universidade, sendo ensinado em diversos tipos de faculdades: beleza, medicina e cirurgia estética, odontologia estética, estética e moda. 

Portal BSG - Quais são seus benefícios? 
PH
– São inúmeros. Para o cliente, possibilita criar uma identidade, a partir do seu rosto e de sua imagem, que expressa seu interior. Isso é chamado, na psicologia, de “encontro”. É a chave para a saúde emocional e psíquica e, conseqüentemente, da elevação da auto-estima e do estabelecimento do bem-estar. A pessoa se sente bela, porque expressa algo verdadeiro, admirável e único, com harmonia e estética.
Para o profissional, permite atender seus clientes plenamente e satisfazê-los. Isso gera fidelidade e recomendações, o que resulta em retorno financeiro. Mas, além disso, exercita sua criatividade e traz um grande senso de realização.

Portal BSG - Por que Visagismo?
PH – O conceito surgiu por causa de duas tendências, que, hoje são as principais tendências sociais: a despadronização e a personalização, ou customização. O cliente está muito insatisfeito com o trabalho dos profissionais de beleza - cerca de 70%. A área está em crise porque se trabalha com muito pouca informação. Como disse, no mundo todo, profissionais dependem somente de sua intuição, seu “feeling” e de seu bom gosto para criar um estilo. Por isso, o Visagismo é um diferencial tão grande. Por essência, é a customização dos serviços de beleza.

Portal BSG - Como o profissional percebe que a pessoa precisa de uma mudança visual? 
PH
– O visagista conscientiza a pessoa sobre sua imagem e o que expressa e, na consultoria, a ajuda a refletir sobre o que deseja, ou precisa expressar através dela. O desejo de mudar, modificar ou transformar a imagem precisa vir do cliente e jamais pode ser imposto pelo profissional. Essa é uma das grandes diferenças do Visagismo: não se impõe nada. Não há regras, nem o certo ou errado. Há somente o adequado ou inadequado, mas somente o cliente sabe o que será bom para ele. Ao visagista cabe decidir como expressar esse desejo. Ele decide COMO a imagem deve ser para expressar o que a cliente deseja, mas nunca o QUE a imagem vai expressar.

Portal BSG - Existe alguma técnica específica? 
PH – Há diversas técnicas usadas na análise das características físicas e técnicas de consultoria, mas o estudo de Visagismo é baseado no estudo da Linguagem Visual, Psicologia, Antropologia e Sociologia. 

Portal BSG - O que é preciso para um profissional ser visagista?
PH – Adquirir novos conhecimentos, aprender técnicas, procedimentos e atitudes. O Visagismo transforma o cabeleireiro artesão (que, muitas vezes, se acha um estilista, mas não é) num artista, designer da imagem pessoal. Envolve maior complexidade, mas é a única forma de atender às necessidades do cliente contemporâneo, que deseja uma imagem personalizada, despadronizada e que revela o que é único nele.
É preciso refletir que, para se tornar um designer de um objeto ou de um prédio - se tornar um arquiteto - é necessário estudar no mínimo 4 anos numa faculdade. Fazer o design da imagem de uma pessoa, que envolve o que é de mais precioso, sua identidade, é muito mais complexo do que isso e, também, de muito mais responsabilidade. 

Portal BSG - No Brasil, você acredita que os profissionais têm adotado o conceito?
PH – Praticar o verdadeiro Visagismo exige fazer o curso que dou, porque, por enquanto, não há outro que pode ensinar isso, ou cursar a faculdade onde estou treinando os professores. Os métodos e procedimentos foram criados por mim. Nos últimos 3 anos muitos fizeram o curso, colocando o conceito em prática e estão colhendo os frutos. Também há alguns professores que fizeram o curso e já começaram a colocar os conceitos em suas aulas.
O livro explica como funciona a linguagem visual e como analisar as características físicas. Estou terminando um segundo livro sobre como fazer a consultoria. 

Portal BSG - Você dá cursos sobre o tema somente em SP? Tem alguma agenda para divulgação? 
PH – Por enquanto, só tenho cursos programados para São Paulo. O de julho já está com as vagas esgotadas e estamos preparando outro para setembro. As datas logo serão divulgadas no site www.visagismo.com.br. Também estarei dando uma palestra na Cosmética Nordeste, dia 4 de junho, em Fortaleza, e participando da Beauty Fair, que será em setembro.

Serviço:
Modelo: Michele França;
Corte: Rudi Werner;
Coloração: André Mateus;
Make: Lígia Lima.