Dra. Mônica F. Carvalho Nakatsubo Os cabelos longos podem ter um significado religioso ou, como em alguns povos na antiguidade, ser símbolo de poder e força. Em certas comunidades religiosas, raspar a cabeça é um sinal de renúncia às coisas materiais e vaidades do mundo, pelo fato de se desfazer de um atributo estético muito precioso. A perspectiva de uma calvície, principalmente precoce, é assustadora. Por isso, a perda dos cabelos tem um impacto emocional muito grande nas pessoas afetadas.

Para saber mais sobre o assunto conversamos com a Dra. Mônica F. Carvalho Nakatsubo, especialista em dermatologia e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Portal: Quais os principais fatores que podem desencadear a calvície precoce?
Dra. Mônica: No geral, quando o ciclo de crescimento e desenvolvimento do cabelo é afetado por fatores externos como as dietas rápidas e milagrosas, pobres em vitaminas, ferro e proteínas, além do fator genético, surge à indesejável calvície precoce. Especificamente nos homens, o principal fator de perda dos cabelos é à predisposição genética, que se inicia por volta dos 17 ou 18 anos. Nas mulheres, os fatores da calvície também podem ser hereditários, e devido ao uso excessivo de produtos e tinturas nos cabelos, problema de tireóide, entre outros, além das pílulas anticoncepcionais. Se a queda realmente ocorrer, o ginecologista deverá substituir o anticoncepcional usado.

Portal: Isso é definitivo, ou seja, quem passar por essas situações será vítima da calvície?
Dra. Mônica: Não é definitivo. Na realidade, é uma situação que causa à perda de cabelos, mas não chega a ser um quadro de calvície. A pessoa pode ter os seus cabelos de volta a partir do momento que voltar a ter uma alimentação rica em nutrientes e vitaminas, associada ao tratamento junto ao dermatologista.

Portal: A calvície ainda é predominantemente um problema masculino, ou já também um problema feminino?
Dra. Mônica: É um problema feminino também. As mulheres sofrem mais que os homens, pois na mulher os cabelos também são considerados um atributo da sensualidade feminina.

Portal: Há vários produtos no mercado para combater a calvície. Isso é de fato possível?
Dra. Mônica: Sim. Os tratamentos que mais proporcionam resultados são com mesoterapia, finasterida, locação à base de minoxedil, ácido retinóico e xampu à base de cetoconazol. Há, porém, um tratamento a laser que indico muito. Ele atua na revitalização capilar de homens e mulheres com queda de cabelo, em grau inicial ou intermediário, além disso, ajuda no combate à oleosidade do couro cabeludo e no crescimento dos fios.

Portal: Como escolher o melhor caminho para o tratamento?
Dra. Mônica: O exame clínico realizado na clínica dermatológica é o tricograma, que tem valor indispensável para o diagnóstico preciso e a conduta terapêutica. Informações necessárias como antecedentes familiares, rapidez do fluxo seborréico película gordurosa, tipos de produtos capilares usados, grau de ansiedade e características do paciente, medicamentos utilizados, entre outros agravantes também são importantes para um diagnóstico preciso.

Portal: O estresse pode levar a calvície?
Dra. Mônica: Sem dúvida. O estresse e um impacto emocional podem acelerar o processo de calvície.

Portal: A calvície pode efetivamente ser evitada? Como? Há regras que podem impedir o problema mesmo diante da herança genética?
Dra. Mônica: Pode, por meio de hábitos saudáveis, como boa alimentação, produtos capilares adequados para cada tipo de cabelo e manter o fator emocional sempre estabilizado.

Dra. Mônica F. Carvalho Nakatsubo é médica formada pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

www.clinicamonicacarvalho.com.br