Pele oleosa exige cuidado redobrado no inverno

Má notícia para quem sofre com o incômodo e a aparência de uma pele com acne: a chegada do frio tende a piorar a situação. A afirmação é da dermatologista Fabiane Brenner, do Hospital VITA, de Curitiba (PR). Segundo a médica, como a pele oleosa pode ressecar nesta época do ano, é preciso ter atenção. A baixa produção de suor causa a concentração de sebo nos poros, facilitando o entupimento e agravando o problema.

O uso de água quente também contribui para a piora da pele acneica, removendo a proteção natural da pele e ressecando-a ainda mais. "Numa tentativa de proteger-se, num efeito rebote, a pele pode produzir sebo em excesso - que pode ser insuficiente para recompor as irritações do ressecamento, mas suficiente para agravar a acne", explica a dermatologista. O excesso de roupas sintéticas e de lã também é prejudicial, pois aumenta a proliferação de fungos e bactérias na pele, facilitando infecções.

Segundo ela, a limpeza correta e a hidratação diária são os métodos mais simples e eficientes para evitar a piora da doença e a obstrução dos poros, nos dias mais frios do ano. Mas a médica alerta: "os hidratantes devem ser escolhidos com cuidado, dando preferência às texturas mais leves, como gel e loção". Quem convive com a pele oleosa deve prestar muita atenção na fórmula dos cremes, sabonetes, protetores solares e maquiagem e só utilizar os que possuem composição não oleosa. A boa notícia, segundo a dermatologista, é que "existem muitas opções com custo acessível, atualmente, no mercado".

Fabiane lembra também da importância do uso de filtro solar, mesmo no inverno: "sem proteção, os raios solares podem provocar manchas na pele e tornar as cicatrizes das lesões ainda mais aparentes e duradouras", alerta.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a acne é mais frequente nas mulheres, dos 14 aos 17 anos, e nos homens, entre os 16 e 19 anos. "Depois dos 20 anos, o aparecimento da acne pode estar correlacionado a outras doenças e o acompanhamento médico é fundamental", avalia a dermatologista. O problema ocorre, por exemplo, em mulheres com mais de 30 anos, com síndrome do ovário policístico - "o excesso de hormônios masculinos aumenta a produção de oleosidade pelas glândulas sebáceas e, neste caso, a recomendação é equilibrar os hormônios", explica.

Cuidado completo para a pele acneica:

1 - Limpeza — É importante lavar o rosto três vezes ao dia com um sabonete neutro, ou seja, que tenha o pH próximo ao pH da pele (que gira em torno de 5.4 e 5.6). As loções de limpeza devem ser evitadas, pois geralmente são oleosas. As melhores são as soluções aquosas, que não contêm óleo. Outra boa opção é usar adstringentes para diminuir a oleosidade e produtos anti-acneicos, que diminuem a produção do sebo e controlam a flora bacteriana da pele.

2 - Hidratação — Peles oleosas e acneicas também precisam de hidratação, pois a produção excessiva de sebo não impede a perda de água. Os hidratantes devem ter fórmula não-comedogênica e do tipo oil-free, ou seja, com quantidade mínima ou nenhuma de óleos. Podem ser produtos em forma de gel, gel-creme ou compostos de água e derivados do silicone. Também se recomenda que sejam hipoalergênicos e não perfumados, já que as essências podem piorar a acne.

3. Proteção — A pele acneica deve ser sempre protegida do sol, pois além de prevenir o câncer de pele e o fotoenvelhecimento, a proteção evita que haja uma hiperpigmentação pós-inflamatória no local das lesões. O filtro solar para a pele com acne deve ter FPS 15, no mínimo, e ser do tipo oil-free. Cremes e produtos oleosos devem ser evitados.

4. Tratamento — Qualquer indicação de tratamento para acne depende da sua gravidade, mas há alguns casos específicos de tratamento, como uso de isotretinoína ou realização de peeling, para os quais o inverno é a estação mais adequada.