Mães e empreendedoras

Como tendência internacional, o empreendedorismo materno é um fenômeno que já conquistou importância socioeconômica em países como os Estados Unidos, a Inglaterra e o Canadá. São mães que resolvem abandonar seus empregos formais, para montarem um negócio próprio, buscando maior flexibilidade para cuidar dos filhos.

E, por mais que no Brasil ainda não existam estatísticas oficiais sobre o número de mães que decide empreender, agora, por meio de uma iniciativa de duas mulheres, essas experiências podem ser compartilhadas. Isso, graças ao livro Minha Mãe é um Negócio, publicado pela Editora Saraiva e repleto de histórias reais.

As autoras, Patrícia Travassos e Ana Claudia Konichi, em parceria com a Rede Mulher Empreendedora, realizaram uma pesquisa com mais de 200 mulheres, que são mães e empreendedoras em todo o País. Acompanhe os resultados sobre as principais características desta nova tendência de comportamento:

  • 81% das mães empreendedoras são casadas;
  • 28% têm entre 31-35 anos;
  • 22% têm entre 36-40 anos;
  • 45% têm 1 filho;
  • 73% completaram o ensino superior ou são pós graduadas;
  • 59% das mães empreendedoras, tiveram vontade de mudar de carreira após a maternidade;
  • 67% decidiram empreender por causa da maternidade;
  • 41% escolheram transformar um antigo hobby em atividade principal, abrindo uma empresa;
  • 64% investiram até 5 mil reais para abrir o próprio negócio;
  • 58% trabalham em casa (home-office);
  • 74% acreditam que ficam mais tempo com os filhos do que antes de empreender;
  • 36% declaram que ganham menos do que antes de empreender;
  • 75% afirmam que estão mais realizadas profissionalmente.

Segundo Ana Claudia Konichi, o mais interessante é notar que, para as mães empreendedoras, o sucesso tem muito mais a ver com a qualidade de vida do que com a lucratividade. “Se o negócio está dando certo e a mãe empreendedora está realizada, ela tende a se sentir melhor e a não se culpar por, eventualmente, dar menos atenção aos filhos. Quando o negócio não está prosperando, a culpa de mãe cresce junto com a frustração da empresária”, conclui a jornalista Patrícia Travassos.

Mais informações:
www.minhamaeeumnegocio.com.br