Carlos Eduardo Zamboni fala sobre as vantagens do LED em relação ao laser nos tratamentos de podologia

A aplicação do LED e do laser na podologia é um assunto que rende uma ampla e longa discussão. Segundo os especialistas, o primeiro é bem mais indicado para a prática do que o segundo. Quem explica o porquê é Carlos Eduardo Zamboni, engenheiro mecatrônico e introdutor da terapia fotodinâmica por LED na podologia e na estética, durante sua palestra no II Congresso Multiprofissional para a Saúde dos Pés, no dia 6 de junho, realizado no BSG World Festival.

Inicialmente, o profissional destacou a diferença entre LED (Light, Emission, Diodo)  e laser (Light, Amplification by, Stimulated, Emission of, Radiation). “O LED não emite radiação, ao contrário do laser, que tem ondas coerentes”, explica.

E qual a razão do LED ser mais indicado nos tratamentos de podologia? Pelo fato de sua luz ser mais aberta e atingir uma área maior. “Além disso, seu custo é mais baixo e a utilização é mais simples”, diz Zamboni.

LED é alternativa de tratamento para diabéticos

Um estudo recente feito pela Universidade de Minas Gerais provou que o LED é mais eficiente nos procedimentos de retirada de micoses nas unhas. Na técnica utilizada pelo próprio especialista, primeiro se aplica o azul de metileno na unha e em seguida, na matriz, o infravermelho para ativar a circulação e favorecer seu crescimento. “Após isso, para atingir as partes mais profundas da unha, utiliza-se a caneta vermelha, com uma aplicação de 4 minutos”, explica.

Zamboni defende que essa é uma forma natural de cuidar do problema sem a necessidade de medicamentos, viabilizando o tratamento para pessoas com diabetes, por exemplo.

E confira também:

"Marketing um a um" é apontado como segredo do sucesso em palestra do BSG World Festival