Ícones & Líderes reúne cinco dos melhores hair stylists do mundo na Hair Brasil 2013

Em 8 de abril, no palco do Hair Brasil Fashion Show, cinco grandes artistas da beleza se reuniram para falar sobre moda, comportamento, talento e revelar segredos de sucesso de seus trabalhos no projeto Ícones & Líderes. Mais do que hairstylists conceituados, Wanderley Nunes, Helio Nakanishi, Viktor I, Hugo Moser e Klaus Peter Ochs contribuem de forma significativa para os bons resultados que a indústria da beleza tem dado à economia brasileira.

O tema “mulher moderna” deu início às discussões do talk show, intermediado pela jornalista Lilian Pacce. Os hairsstylists tiveram como desafio compor looks para uma mulher multitarefa e multifacetada. Helio, do HelioDiff, de Brasília, destacou o momento Oscar que toda mulher deseja ter. Klaus, presidente da Intercoiffure Mundial, deu vida à mulher que hoje quer ficar entre a casa e os negócios. e ainda praticar esportes e sair com as amigas. Hugo, do Hugo Beauty, realçou a mulher que está pronta para qualquer situação. E Viktor I, do Vimax Art Hair Beauty, aflorou o momento camaleônico da mulher, que pela manhã é executiva e à noite uma diva.

Ser e se sentir celebridade

Conhecido por atender as celebridades brasileiras, Wanderley Nunes, do Studio W, falou sobre a importância de o profissional buscar a humildade e o conhecimento. “Quando você chega à conclusão de que é o melhor, é o dia em que você para de crescer. O ideal é se achar suficiente para atender artistas, pessoas do dia a dia, pessoas que guardam dinheiro para vir até o seu salão, e que simplesmente desejam a realização de um sonho, de levantar a autoestima que está baixa. O cabeleireiro é um facilitador da vida das mulheres. Remos muito a aprender e para isso é fundamental a busca pelo conhecimento. Procuro fazer da celebridade um amigo, e uma nova cliente trabalho para que se sinta famosa”, diz.

Questionado sobre as celebridades internacionais, Klaus Peter Ochs concordou com as argumentações de Wanderley e disse que os famosos desejam se sentir normal ao sentar-se na cadeira do salão. “Ela está ali pelo bem-estar”, ressalta.

Sobre as “celebridades políticas”, Nakanishi comentou: “Consigo ter um aprendizado principalmente comportamental. São pessoas que chegam de vários lugares e dividem conosco suas bagagens culturais”, acrescenta.

Novo perfil de cliente

Com a ascensão da classe C um novo perfil de cliente começou a frequentar os salões de beleza. Hugo Moser diz que o mais importante é fazer com que estas pessoas se sintam em casa. “É uma cliente mais contida, ainda não está acostumada a essa mudança. Cabe a nós valorizá-las e deixá-las à vontade”, incentiva.

Viktor I comenta que a exemplo das grandes marcas que se preocuparam com uma classe ascendente, procurou montar seu negócio pensando em todo tipo de cliente e preços para vários bolsos. “Essas gostam de ter a bolsa Hermè, mas compram uma falsa na boa. A democracia da moda e da beleza nos permite ser quem a gente quiser. O que vale é a essência. Não precisamos mais de rótulos”.

Negócios, tributos e sucesso

Wanderlei Nunes fez questão de enfatizar um problema que atinge pequenos, médios e grandes salões: a tributação. “A regulamentação da profissão não ajuda em nada, se os impostos continuarem altos.

A respeito do sucesso do negócio, Nakanishi diz que é preciso ter maturidade para se tornar um empreendedor. “Em nosso salão incentivamos o crescimento e independência dos funcionários”. E Wanderlei orienta a ver o salão como empresa para que realmente cresça. “Me sinto orgulhoso quando formo alguém e vejo seu sucesso. O papel de um líder é investir no ser humano e não no profissional”, aconselha.

Finalizando as discussões os hairsstylists comentaram sobre o que faz ganhar e o que faz perder clientela. A incompetência e a falta de atenção aos clientes foram citadas como principais pontos negativos. Já o segredo para o sucesso está no talento, atenção, hospitalidade, educação, carinho e na forma como você surpreende o seu cliente.