Na semana passada publicamos aqui no portal Cabeleireiros.com uma matéria falando sobre os malefícios do uso do formol nos tratamentos capilares e sobre o cerco que a ANVISA está fechando em torno de estabelecimentos que mantém esta prática.

Cabelos lisos: em prol deles, mulheres e cabeleireiros ainda colocam a saúde em riscoNo entanto, quando o assunto é a realização de escova progressiva ou definitiva nos salões, o nome do composto químico formol ainda é constantemente citado e se inicia um debate sobre se realmente existe alguma forma de utilização segura desta substância para relaxamento e alisamento dos fios.

Para esclarecer estas dúvidas, consultamos o médico dermatologista Francisco Le Voci, que alerta sobre os riscos indevido e as alternativas de tratamento capilar.

Portal Cabeleireiros.com: O que é formol?
Francisco Le Voci: O formol ou formaldeído é um composto claro com várias aplicações, sendo usado normalmente como preservativo, conservante ou antisséptico nas formulações. Também é usado para embalsamar peças de cadáveres, mas é útil também na confecção de seda artificial, celulose, tintas e corantes, soluções de uréia, tiouréia, resinas melamínicas, vidros, espelhos e explosivos. O formol também pode ser utilizado para dar firmeza nos tecidos, na confecção de germicidas, fungicidas agrícolas, na confecção de borracha sintética e na coagulação de borracha natural. É empregado no endurecimento de gelatinas, albuminas e caseínas. É também usado na fabricação de drogas e pesticidas.

Portal: Por que ele é prejudicial à saúde?
Francisco: O formol é comprovadamente prejudicial (tóxico) à saúde quando ingerido, inalado ou quando entra em contato com a pele, via intravenosa, intraperitoneal ou subcutânea. Em concentrações de 20 ppm (partes por milhão) no ar causa rapidamente irritação nos olhos. Sob a forma de gás, é mais perigoso que em estado de vapor.

Portal: Por que o formol é utilizado em alguns cosméticos capilares?
Francisco: Ele tem sido utilizado, indevidamente, em altas concentrações nos cosméticos capilares, com o objetivo de produzir alisamento dos cabelos, pois possui esta ação quando em contato com os fios.

Portal: Quais são as reações adversas que o formol pode causar?
Francisco: São várias e graves as reações, inclusive câncer e óbito. Entre as principais reações resultantes do contato com a pele estão irritação, vermelhidão, dor e queimaduras. No caso de contato com os olhos, além das já citadas, lacrimação e visão embaraçada. A inalação pode causar até câncer no aparelho respiratório, dor de garganta, irritação do nariz, tosse, diminuição da frequência respiratória, irritação e sensibilização do trato respiratório. Pode ainda causar graves ferimentos nas vias respiratórias, levando ao edema pulmonar e pneumonia. Vale destacar que pode ser fatal em altas concentrações. A exposição crônica, frequente ou prolongada pode causar hipersensibilidade levando às dermatites. O contato repetido ou prolongado desencadeia reação alérgica, debilitação da visão e aumento do fígado.

Portal: Se uma empresa de cosméticos possui autorização da ANVISA para fabricar/distribuir seus produtos é porque ela está de acordo com a legislação exigida pelo órgão, certo? Ou seja, as substâncias utilizadas na fórmula do seu produto são seguras para o consumidor e profissional?
Francisco: Existem concentrações seguras de uso do formol em cosméticos como conservante, mas não para alisamento dos fios, conforme definido pela ANVISA. Assim, os fabricantes e profissionais devem respeitar as doses seguras.

Portal: Para quem os produtos que contém formol são contra indicados?
Francisco: Todas as pessoas podem ser prejudicadas com o uso do formol em cosméticos, desde os consumidores quanto os profissionais que aplicam a substância. No caso das situações outras, como as descritas acima, existem regras de proteção e de doses para que se utilize o formol, e somente pessoas treinadas e protegidas podem manipular o composto.

Portal: Quais os ingredientes mais seguros para quem deseja controlar os cachos?
Francisco: Os produtos permitidos pela ANVISA para alisamentos capilares são: Tioglicolato de Amônio, Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Cálcio e o Hidróxido de Lítio.

Portal: Além do formol, quais as outras substâncias utilizadas indevidamente para alisamento dos fios, e como perceber que constam na mistura do produto aplicado nos fios?
Francisco: Os produtos alisantes devem conter em seu frasco o selo da ANVISA como sendo aprovados. Desta forma, o consumidor deve exigir que possa ver o frasco do produto que está sendo utilizado, além de procurar locais de sua confiança para fazer o alisamento. O cheiro intenso é um dos principais sinais de manipulação incorreta.

E confira também:

Profissionais ensinam como manter o cabelo a salvo das agressões do verão