Gravida

Estima-se que aproximadamente 85% das mulheres sofrem de queda capilar, em maior ou menor grau, após o parto. Apesar do número elevado, não há motivos para pânico. A dermatologista Leila Bloch, pesquisadora e especialista em cirurgia capilar, esclarece as principais angústias que cercam as mamães durante e depois da gestação.

A aparência e resistência dos cabelos mudam durante a gravidez. Por quê?
Devido ao aumento de hormônios femininos e às outras alterações hormonais fisiológicas comuns na gestação (que não estão relacionadas a problemas ou doenças), os fios ganham um “efeito protetor” natural que evita a queda e transmite a sensação de cabelos mais fortes e viçosos.

Após o parto, começam a cair em grandes quantidades, principalmente no período da amamentação. É uma fase natural ou alarmante?
Totalmente natural. Durante a amamentação, os fios que não caíram durante os noves meses, começam a cair durante um período de três a seis meses. Embora seja uma situação desconfortável, esse quadro é mais comum do que se imagina. Em mulheres que não apresentam nenhum problema anterior ou genético de queda e calvície, esse processo é autolimitado e para espontaneamente depois de semanas ou meses.

E se a queda se mantiver?
Se a situação não normalizar naturalmente, procure um dermatologista para investigar as possíveis causas que estejam agravando o problema, como deficiência de vitaminas, ferro e proteínas.  Entretanto, em mulheres com tendência a desenvolver calvície, os fios caem em maior quantidade e chegam a diminuir . Também pode ocorrer diminuição do volume dos cabelos, persistindo mesmo seis meses após o parto. Nestes casos, o término da gestação funciona como um “gatilho” para as que têm predisposição genética.  O dermatologista deve ser procurado o quanto antes para iniciar os tratamentos adequados.

Quais são os tratamentos indicados em mulheres incomodadas com a queda de cabelos sucessiva à gravidez?
Após o parto, pode-se iniciar o uso de loções com princípios ativos que controlam a oleosidade e funcionam como antiqueda. O uso de shampoos adequados, prescritos pelo dermatologista, também auxiliam na recuperação da saúde capilar. Além disso, é possível que sejam realizados tratamentos de estímulo capilar, como peeling capilar e massagens estimuladoras. Entre as novas tecnologias, o laser de baixa potência apresenta bons resultados nas pacientes. E nos diagnósticos de falta de vitamina, é indicada a reposição. Já para as mulheres com tendência à calvície, o uso de medicamentos que evitam o afinamento dos cabelos, chamados antiandrógenos, pode ser iniciado ao final da amamentação a fim de evitar a evolução do quadro.

Com os tratamentos corretos, a restauração da saúde capilar é 100% garantida?
Para as mulheres que nunca apresentaram problemas de queda capilar, é possível normalizar a vida dos fios em até sete meses após o parto. Nos tratamentos para combater a calvície, o processo é mais lento e pode durar um período maior, que varia caso a caso e sempre com acompanhamento médico.É um quadro clínico cujo tratamento é de longo prazo.

Serviço:

Clínica Bloch
(11) 3071-4114
www.clinicabloch.com.br

Confira também:

Guanidina estraga o cabelo?