Depois de ser apontado como o responsável por diversos danos na saúde de mulheres que realizaram escovas progressivas e demais tratamentos capilares, o formol recebe mais um ultimato.

Isso porque, desde o dia 17 de março, a Lei 5.409/09 obriga que todos os salões de beleza do Estado do Rio de Janeiro informem suas clientes de que é proibido o uso do formol em qualquer tratamento de cabelos. Sancionada pelo governador Sérgio Cabral e publicada no Diário Oficial, a lei obriga que um aviso deverá ser colocado em local de fácil visualização, no formato A4, com letras na fonte Times New Roman, tamanho 56. O texto, obrigatoriamente, deve ser este: “O uso de formol nos tratamentos capilares é proibido e causa males à saúde. Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Rio - telefone 0800 282 7060”.

O descumprimento da ordem implicará em multa de R$ 1.937,20, e a reincidência custará aos proprietários do estabelecimento uma nova multa, de valor duas vezes maior em relação ao cobrado na primeira vez.

Discussões sobre o uso do formal ganharam cada vez mais espaço desde que a substância foi apontada como um agente causador de câncer e também como culpada pela morte de mulheres que realizaram procedimentos estéticos como escovas progressivas.