Salão de belezaDurante a Hair Beauty, feira realizada no Rio de Janeiro entre os dias 3 e 5 de outubro, Marcelo Ribeiro, consultor e docente do Senac Rio, realizou uma palestra onde deu dicas sobre gestão de negócios e destacou a importância delas na hora de abrir um salão de beleza.

Logo na abertura, Ribeiro destacou como era a postura dos profissionais de um salão de beleza até alguns anos atrás. “Era muito comum a política do ‘muito cacique para pouco índio’. A diretoria era a organização e o resto era mão de obra, não tendo qualquer peso na hora de dar ideias. Isso fazia com quem a equipe ficasse calada quando percebia que a estratégia dos administradores não daria certo”, diz. O resultado disso era jogar a incompetência na diretoria, que, por sua vez, aumentava o preço, fazendo o cliente pagar mais caro por não ter outra opção.

Isso mudou a partir de 1992, durante a gestão de Fernando Collor, quando as tarifas de importação foram quebradas e choveram empresas querendo vender produtos importados. Desde então, as opções aumentaram muito e a dinâmica do mercado ficou cada vez mais agitada, o que obrigou a organização dos empreendimentos a diminuir a quantidade de níveis hierárquicos e priorizar a rapidez do serviço.

Mas quem encara a velocidade como uma vilã do serviço, achando que ela pode ocasionar unicamente erros, precisa rever seus conceitos. “Quando falo da velocidade, destaco a importância que ela tem ao fazer as pessoas perceberem e decidirem as coisas que fazem parte da rotina de um salão com mais rapidez. Isso sem falar nas mudanças, que podem agilizar o trabalho”, salienta o consultor.

A respeito do mercado de trabalho, Ribeiro o classifica como ‘um verdadeiro surfe, cheio de ondas, as quais o profissional precisa saber como pegar e sair’. “A maioria das pessoas precisa de mais ação. Soubemos, por exemplo, que o Rio de Janeiro irá sediar as Olimpíadas em 2016. Neste caso, o profissional de beleza pode procurar saber quais salões estarão na vila olímpica e estabelecer contatos. Se fizer um bom trabalho, pode virar uma referência”.

Ribeiro, que realiza palestras desde 1993, também abordou a questão dos diferenciais do serviço. “Café, revistas de fofoca e televisão não são mais diferenciais. Os salões estão cada vez mais sofisticados, com os serviços cada vez mais rápidos. Além disso, a tecnologia deu ao cliente a oportunidade de fazer trabalhos oferecidos no salão em casa”, salientou. Entre eles, o palestrante destacou a aromaterapia, meditação grátis, clubes de fidelidade e salões ecologicamente corretos.

Além disso, foram enumeradas diversos outros tópicos que precisam ser pensados com muito cuidado para que o empreendimento tenha sucesso. Alguns deles são: diversificação dos canais de distribuição, crescimento do consumidor masculino e a necessidade de uma área voltada para os homens, incorporação de alta tecnologia em produtos e equipamentos, necessidade de concentrar todos os serviços no salão. Marcelo Ribeiro também chamou a atenção para a importância da localização do salão, de como conseguir clientes na qualidade necessária, como operar para satisfazer e surpreender os clientes, como escolher os profissionais da equipe, importância do estabelecimento e cumprimento de metas, entre outros.