Promovido pela revista Seleções, o evento abordou o tema vaidade sob os seguintes aspectos: a vaidade e sua abordagem sociológica, cabelo, maquiagem, rosto, corpo, alimentação e moda, visando promover uma discussão aprofundada sobre o tema.

Carlos Carrasco
O hairstylist Carlos Carrasco abriu sua apresentação lembrando que durante muito tempo ouviu dizer que os cabelos eram a “moldura do rosto”. “Não concordo com essa teoria, os cabelos fazem parte da personalidade das pessoas”.

O profissional destacou que os cuidados com os cabelos ultrapassam os limites da vaidade, estando muito mais relacionados a auto-estima de cada pessoa. Carrasco disse que mais de uma vez recomendou que suas clientes voltassem para casa, mesmo quando estas pretendiam um corte ou uma alteração na cor. “Percebi em seus olhos que elas não estavam bem e que a mudança era apenas uma espécie de fuga”.

Aproveitando o ensejo, Carrasco também falou que antigamente ao atingirem uma certa idade, por volta dos 40 anos, as mulheres cortavam os cabelos e os mantinham curtos a partir de então. “Os contornos do rosto são as primeiras partes da face que ficam flácidas, os fios curtos realçam esse envelhecimento”, sentenciou.

 Fernando Torquatto

O maquiador Fernando Torquatto, que anunciou para breve o lançamento de seu livro sobre beleza, disse que para ele a vaidade está diretamente associada a auto-estima e ao bem-estar.
Fernando fez uma rápida passagem pelos tempos destacando que nos anos 50 havia um padrão de beleza seguido por todas as mulheres. Nos anos 60 e 70 elas ficaram um pouco endurecidas, para ganharem destaque na sociedade. “Houve um desencontro da mulher com o ser feminina”, falou. Esses padrões caíram por terra, conforme o maquiador, e o conceito de beleza passou a ser muito mais do que a soma de cores e de produtos modernos. “Beleza hoje é você se inspirar”.

O cabeleireiro e maquiador Celso Kamura, que no evento se concentrou em falar sobre maquiagem, abriu sua apresentação destacando que nos anos 90 a tendência era não usar maquiagem. “Hoje a mulher deve usar, mas não pode aparentar que está usando coisa alguma”.

Celso Kamura

Kamura enfatizou que o essencial para uma maquiagem sair perfeita e a pele bem feita. Tanto que, logo após a limpeza ele gosta de aplicar uma pré-base, visando obter uma cobertura perfeita. Ainda no assunto base, o maquiador falou de sua preferência pelo produto em spray. “Dá uma aparência bem natural e resiste muito mais”. Outra particularidade, é que ele aplica o produto no pincel e só depois o espalha pelo rosto. Kamura também considera o uso do corretivo primordial para a obtenção de um resultado melhor.

Outro destaque na apresentação do maquiador foram os olhos. Para ele uma pálpebra perfeita precisa ter profundidade e a melhor maneira de conseguir isso e marcar a curvatura dos olhos com um lápis e depois esfumaçar a área com um pincel.