Beleza Dourada: Ivaldo Lima

Com exclusividade para a Cabeleireiros.com, o hairstylist curitibano Ivaldo Lima, membro da Intercoiffure Mondial, apresenta as tendências de maquiagem, corte e coloração para o verão 2008. Nesta estação, a moda se mostra democrática, revelando uma beleza clean, que investe em estruturas geométricas e cores quentes nos cabelos. Confira o passo a passo completo deste trabalho na edição impressa da revista Cabeleireiros.com.

Conheça o perfil do profissional:

Cabeleireiros.com: Quando decidiu seguir a carreira de hairstylist? 

Ivaldo Lima: Desde a adolescência já me dedicava à arte dos cabelos. Estudei engenharia cartográfica na UFPR, mas no terceiro ano da faculdade não tive dúvidas de que ser hairstylist era a minha vocação. Meu pai, José Inácio, era
barbeiro em Jaquapitã, uma cidade do interior do Paraná, e ele foi meu
grande incentivador. Eu o ajudava na barbearia e sentia que, quando crescesse, precisava estudar para melhorar. 

C.C.: O que foi mais difícil no começo da carreira? 

I.L.: Conquistei minha carreira com muito trabalho, buscando o conhecimento dos melhores mestres, como Vidal Sasson e Alexandre de Paris. O momento mais difícil foi quando montei meu salão, pois foi um divisor de águas em minha vida. 

C.C.: Como definiria o seu trabalho? 

I.L.: Sou uma mistura de tudo o que se vê por aí no mundo hair. Freqüentei as escolas inglesas Tony Guy Advanced Cutting Technical London e a Vidal
Sasson Show Technical London, a americana Sasson-Los Anfelles e a espanhola Longueras. Procurei tirar tudo o que achei de melhor em cada uma delas e criei um estilo próprio. Gosto de trabalhar numa linha supermoderna, com cabelos arrojados que combinem corte e cor. Busco sempre a harmonia. Não gosto de fazer cabelos de “perua”, engomados e cheios de laquê. 

C.C.: Qual foi trabalho ou o evento mais marcante da sua carreira? 

I.L.: Já fiz muitos trabalhos no exterior, mas o Mega Show L’Oréal 2002 marcou profundamente minha carreira. Mais de cinco mil pessoas aplaudindo o meu trabalho foi incrível. Além disso, ver meus irmãos, Marcos, Pedro e Nilton, no mesmo palco que eu, foi uma emoção indescritível. Lá, apresentei uma coleção de inverno com três temas: “Bolshoi”, composta de uma mulher com cara de boneca; “Czarina”, que representava uma mulher rica e chique; e “Princesa da Mongólia”, que imitava as mulheres de uma tribo perdida, rude e primitiva. 

C.C.: Como enxerga a moda hair hoje em dia? 

I.L.: Gosto da liberdade de criar que se apresenta na moda hair. Hoje, deixou-se de lado aquele molde pronto, que todo mundo usava como uma tendência uniforme. A liberdade de criação veio junto com a liberdade de expressão. Não curto muito os contrastes acentuados de cores e as mechas largas e marcadas. 

C.C.: Quais são as suas fontes
de inspiração? 

I.L.: Eu me inspiro nas revistas de moda internacionais e nas viagens que faço. Gosto de observar lugares da moda, como Nova York, Paris, Londres e Milão. 

C.C.: Quais são as características ideais de um hairstylist? 

I.L.: Estar “antenado” em tudo e ter conhecimento do que foi a moda no passado para entender o que está acontecendo no momento são requisitos primordiais. O profissional precisa ir muito além de cortar cabelos e fazer penteados. Ele não pode achar que sabe tudo, pois esta profissão é muito dinâmica. Ele deve ler sobre moda e beleza, viajar e freqüentar as melhores escolas. Para mim, moda não se aprende na escola, mas na rua

Créditos:
fotos:
Helena de Oliveira
cabelo: Ivaldo Lima
make-up: Victor Sálvaro (com produtos O Boticário)
produção e estilo: Victor Sálvaro
acessórios: Benedito Costa (com exclusividade para este ensaio)
roupas: Croqui Espaço de Moda